quinta-feira, 27 de junho de 2013

CRIANÇAS - MONUCLEOSE INFANTIL

Minha filha está com dor de garganta e gânglios. Será mononucleose?

Pode até ser que sim, mas é improvável. A mononucleose, também conhecida como mono ou "doença do beijo" (por ser transmitida através da saliva), é geralmente mais comum entre jovens e adultos.

Crianças menores, no entanto, podem pegá-la quando usam um copo ou talher de um irmão doente, põem na boca um brinquedo de outra criança ou até estão no mesmo ambiente que alguém infectado.

Os sintomas da doença costumam aparecer um mês ou seis semanas depois da exposição ao vírus e são bastante parecidos com os de um resfriado. Entre eles há:
  • dor de garganta
  • gânglios inchados ou ínguas (no pescoço e possivelmente na virilha e axilas)
  • febre
  • erupções de pele

Crianças mais velhas com mono também sentem cansaço e fraqueza, e podem ter dor de cabeça, perda de apetite e até inchaço no baço.

A "vantagem" de uma criança pequena ter mononucleose é que quanto mais jovem a pessoa menos graves os sintomas tendem a ser (às vezes nem há sintoma algum).


Quais as causas da doença?

O vírus Epstein-Barr (EBV) é o causador da maioria das mononucleoses, embora outros vírus possam provocar a doença também. Grande parte dos adultos de até 35 anos já foi exposto ao EBV, e uma vez que isso tenha acontecido, o corpo desenvolve imunidade ao vírus, portanto a doença não volta a aparecer.


Como é feito o diagnóstico?

Quando se sabe que uma criança foi exposta ao vírus, o exame de sangue pode ser feito, embora ele não seja tão eficiente em crianças bem pequenas. O médico provavelmente suspeitará antes de outras infecções virais, para as quais os antibióticos não respondem.

Não existe tratamento específico para a mononucleose, então o que é feito é mais ou menos a mesma coisa do que com um simples resfriado: repouso, ingestão de muitos líquidos e uso de remédios para reduzir a febre, como paracetamol ou ibuprofeno (sempre segundo a prescrição médica para o peso e idade da criança).


É perigoso ter mononucleose?

Raramente, embora a complicação mais comum da doença seja ruptura do baço, que é sim uma situação grave e deve ter tratada com urgência. É por esse motivo que médicos aconselham jovens e adultos com mononucleose a evitar esportes de contato físico durante um mês, já que o choque contra um baço já inchado pode facilmente provocar um rompimento.

Outras complicações são inflamação no fígado, icterícia e amígdalas inchadas. Se achar que a garganta da sua filha está inchada, entre em contato com o médico assim que possível; caso ela esteja com dificuldade de respirar, vá imediatamente a um pronto-socorro.

Em situações raras, a mononucleose pode afetar outras partes do corpo, como o sangue, o coração e o sistema nervoso central. A doença pode ser bem mais grave em crianças com o sistema imunológico enfraquecido, como em caso de portadores de HIV/AIDS.


Tem como prevenir a mononucleose?

A melhor maneira é evitar contato com pessoas infectadas, o que não é tão simples assim, já que muita gente está contagiosa sem nem apresentar qualquer sintoma da doença.

Crianças com mononucleose não devem ir à creche ou escola e a casa de amigos até que a febre tenha passado, para evitar contágio. Evite também que seus filhos usem os mesmos copos e talheres de outras pessoas no dia a dia.


Fonte: BabyCenter